Movimentando 165
NÚMERO 167-MAIO 2020

Matéria 07 de 08

SETOR METROFERROVIÁRIO

Debate e documentos sobre os riscos envolvidos na forte redução da demanda registrada nos sistemas metroferroviários

Três significativas manifestações sobre a redução de demanda nos sistemas metroferroviário foram emitidas o mês de maio de 2020. Uma das manifestações deu-se no início do mês com a participação do presidente da em uma videoconferência. Em 25 de maio, a ANPTrilhos apresentou o documento Balanço do Setor Metroferroviário no 1º Trimestre de 2020, mostrando uma redução de 31,7% no número de passageiros transportados no período em relação ao mesmo período do ano anterior. Na última semana de maio, por meio de documento com o logotipo das 43 organizações associadas, incluindo entidades brasileiras, a Associação Latino-Americana de Metrôs e Subterrâneos (ALAMYS) mostrou preocupação com o impacto da pandemia da Covid-19 sobre os transportes públicos em geral e os sistemas metroferroviários em particular

No mês de maio de 2020, houve pelo menos três significativas manifestações sobre a redução de demanda nos sistemas metroferroviário.

No dia 20 de maio de 2020, o presidente da Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos), Joubert Flores participou do programa virtual Webinar nos Trilhos, promovido pela Revista Ferroviária, que discutiu o tema Os desafios metroferroviários na pandemia.

Nesse encontro Joubert Flores explicou que os sistemas registraram uma forte queda na demanda de passageiros e na arrecadação diante da pandemia causada pela Covid-19. O setor transporta em torno de 11 milhões de passageiros e diante da pandemia está transportando pouco mais de 2 milhões de pessoas.

O encontro teve também a participação do presidente da operadora do sistema de trens na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, a SuperVia, Antonio Carlos Sanches. Os trabalhos foram moderados pela editora da Revista Ferroviária, jornalista Bianca Rocha.

Durante o webinar foram abordados temas como as medidas que estão sendo adotadas pelas empresas diante da pandemia, os pleitos do setor ao governo, a redução de demanda, os impactos na manutenção dos sistemas, entre outros. A íntegra do webinar pode ser vista por meio de link ao final desta matéria.

RESULTADO DO PRIMEIRO TRIMESTRE DOS SISTEMAS SOBRE TRILHOS

Em 25 de maio, a ANPTrilhos apresentou o documento Balanço do Setor Metroferroviário no 1º Trimestre de 2020, mostrando uma redução de 31,7% no número de passageiros transportados no período em relação ao mesmo período do ano anterior.

Em janeiro de 2020, houve 2,2% de passageiros a mais do que em janeiro de 2019; em fevereiro deste ano, observou-se declínio de 2,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior, e, finalmente, em março de 2020, a houve redução de 31,2% em comparação com março de 2019.

De acordo com o documento mostra redução total da demanda nos sistemas de trens e metrôs do Brasil no primeiro trimestre do ano foi de 83,9 milhões de passageiros. Desse total, 82,4 milhões de passageiros deixaram de usar os sistemas exatamente no mês de março.

É de R$ 500 milhões a estimativa de queda de arrecadação de bilheteria entre 16 a 31 de março de 2020. Diante deste cenário, a ANPTrilhos está buscando apoio do governos federal e de governos estaduais para garantir a manutenção da prestação dos serviços de transporte de passageiros sobre trilhos e a manutenção do quadro de 39 mil funcionários.

Segundo trimestres de 2020 – Os números consolidados de abril de 2020 apontam uma continuidade da tendência de queda, mostrando um forte impacto na redução de passageiros transportados. Em média, os sistemas metrôs, trens e VLTs do Brasil observaram em abril redução de 77,2% de passageiros. Mantendo-se a atual situação de restrição de viagens, haverá uma queda da ordem de 70% no total do número de passageiros transportados no 2º trimestre de 2020. Veja a íntegra do documento por meio de link ao final da matéria.

ALERTA LATINO-AMERICANO

Na última semana de maio, por meio de documento com o logotipo das 43 organizações associadas – incluindo os sócios brasileiros CPTM, Metrô de São Paulo, Metrô Rio, Metrô-DF, Supervia, Trensurb, ViaQuatro, VLT Carioca e Governo do Estado do Rio de Janeiro – a Associação Latino-Americana de Metrôs e Subterrâneos (ALAMYS) manifestou preocupação com o impacto da pandemia da Covid-19 sobre os transportes públicos em geral e os sistemas metroferroviários em particular.

O documento descreve rapidamente a gravidade da situação: “A pandemia causada pelas rápidas taxas de infecção pela Covid-19 no mundo não distinguiu os seus efeitos entre qualquer modo de transporte público, e os sistemas ferroviários não foram exceção. As consequências têm sido devastadoras em todas as áreas, especialmente na área financeira, devido a perdas significativas em viagens. Em média, o fluxo diminuiu 83% nos sistemas agrupados na ALAMYS, desde março deste ano, o que veio somar-se à incerteza quanto à data em que o livre trânsito de pessoas poderia ser normalizado e, consequentemente, a demanda por nossos sistemas”.

No trecho mais forte, o documento destaca: “Advertimos, portanto, que este panorama difícil pode colocar em perigo a continuidade do funcionamento dos nossos sistemas a serviço das pessoas, ainda que os transportes públicos tenham sido o motor de mobilização para aqueles que desempenham tarefas essenciais (saúde, abastecimento, serviços básicos, entre outros), e para manter o funcionamento das cidades”. Veja o texto acionando link específico logo abaixo.

Voltar